Agenda Escolar, pra que mesmo?

Por Maria Cristina Santos

 

Para que a criança se beneficie dos dois contextos (familiar e institucional), é necessário que se estabeleça uma parceria entre ambos, principalmente quando se trata dos menores que não tem sua oralidade desenvolvida.

Segundo Maranhão e Silva “o cuidado e a educação de crianças menores de seis anos requerem comunicação diária entre educadores da infância e a família, para que seja possível identificar necessidades, saber como atendê-las, combinar determinados cuidados e a forma de oferecê-los.”

É consenso entre os educadores que a agenda escolar é um canal de comunicação, porém muitas vezes isto não acontece no dia a dia.

Mas como isso se dá na prática?

A partir de algumas inquietações passei a pesquisar na instituição na qual atuo.

O que o professor escreve na agenda para a família?

Recados institucionais;

Ocorrências (acidentes, atividades nâo feitas, problemas com uniformes);

Solicitação de parceria em atividades ocasionais;

Recados carinhosos;

Comunicado de extravios de roupa ou objetos pessoais;

Solicitando roupas adequadas segundo o clima;

Raramente um agradecimento;

Pouca comunicação para falar da criança e seu desenvolvimento.

O que os pais escrevem para o professor?

Extravio de pertences pessoais;

Poucos questionamentos sobre a rotina da criança;

Agradecimento;

Comunicado sobre a saúde da criança;

Esclarecendo sobre a ausência da criança;

Raramente questionam sobre o bem estar da criança ou seu desenvolvimento.

Questionei os professores o que eles consideram importante informar as famílias para estabelecer uma parceria.

O que esta acontecendo na sala de convivência e a importância destas atividades no desenvolvimento da criança;

Sobre a saúde da criança, levando em consideração o conceito de saúde segundo a OMS, a qual define saúde como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente a ausência de afecções e enfermidades”;

Sobre a rotina da instituição;

Os avanços da criança, seja na oralidade, nas questões referentes a autonomia e auto-cuidado ou em outros campos do conhecimento;

Estabelecer combinados entre família e educadores.

Novamente questionei os professores sobre o que eles acreditam ser necessário saber da família para identificar as necessidades da criança e assim qualificar o atendimento da mesma.

Questões relativas à saúde da criança;

Problemas que possam afetar o comportamento da criança;

Observações sobre o desenvolvimento da criança em casa;

Como podemos observar existe um descompasso entre a função da agenda e como a mesma é utilizada de fato.

Novas inquietações surgiram

Questionei os professores sobre quais entraves para que a agenda seja de fato um instrumento de comunicação com a família?

Falta de tempo;

Um professor não sabe o que aconteceu com a criança no turno do outro professor

Número grande de agendas para escrever diariamente.

Muitas famílias não enviam agenda.

Muitas famílias não leem a agenda.

A escrita deve ser profissional, algumas dicas:

Seja cordial;

A comunicação deve ser clara e objetiva;

Lembrar que antes de ser pai ou mãe existe uma pessoa com identidade própria, escrever o nome do pai, mãe ou responsável pela criança torna a comunicação mais pessoal;

A comunicação se dá entre dois adultos, por isso não é interessante infantilizar com palavras no diminutivo, termos chulos.

A comunicação deve ser resumida. Comunicaçôes extensas devem ser presencial.

A agenda escolar é um canal de comunicação oficial, visto que faz parte da lista de material individual.

A agenda escolar é também o local onde os alunos anotam seus deveres de casa, portanto um local para acompanhar a vida estudantil do aluno.

A agenda escolar contém todas as normas escolares, bem como datas de provas, segunda chamada de provas, recuperações, dias letivos e feriados.

Como visto é um aliado dos pais para o acompanhamento dos mesmos.